You’re viewing a version of this story optimized for slow connections. To see the full story click here.

"Casei aos 15 anos"

Story by UNFPA Brasil October 6th, 2017

Quando eu pensei em ter filhos, eu descobri que tinha um cisto. Mas um dia eu comecei a enjoar e quando eu fui fazer o exame estava grávida de 3 meses. Eu queria muito ser mãe e fiquei mais feliz ainda quando soube que era uma menina, Alice Eduarda!

Se eu tive a zika não tive reação. No dia do parto quando eu fui para a maternidade eram 22 e pouco da noite, quando eu cheguei lá eu estava com dois dedos de dilatação. Aí 8h da manhã foi quando Alice nasceu. Para mim foi o pior dia da minha vida porque os médicos disseram que ela não ia falar, não ia andar, aí eu entrei em pânico e o que só fazia era chorar, chorar, chorar.

Aí veio a assistente social que tentou me acalmar mas não tinha jeito, eu começava a chorar. A Alice começava a chorar com fome e eu não queria pegar ela, nem sequer queria ver ela, quando eu pegava dizia “ela não é minha filha, não”, ela ficava chorando. Agora para mim ela não tem nada, para todo o canto que eu vou levo ela para mim, agora ela é perfeita. Tudo que o médico falou não aconteceu, graças a Deus.


Casei aos 15 anos.jpg

Quando ele chegou (marido) ele falou “cadê a menina” e eu falei “tá ali”. Eu chorando, e ele “oxe, ela tem o quê que eu tou vendo ela perfeita?”.

Depois de meses que eu vim me acalmando e parei de chorar.

O povo fica olhando muito, fuxicando, eu pergunto logo o que é que tá olhando. “Tem algum problema pra você tá olhando pra minha filha?”. Aí fica tudo calado, em qualquer lugar que eu chego eu arrumo confusão.

No começo do ano, em Janeiro, eu estava indo na escola mas eu parei porque como é muito médico não tenho tempo de ir. Se eu vou pro médico 5h da manhã de sexta, lá pras 3h, 4h "tou" cansada aí vou dormir com ela.

Eu imagino ela andando, chamando mamãe, papai, ser uma criança normal, né? Esse é o meu maior sonho (chora). É como eu sempre digo aos médicos, quando um médico diz “ela tem isso, ela tem aquilo” eu sempre digo “Deus é o médico dos médicos, você pode falar o que você quiser”.


Eu reencontrei o médico que fez a ultrassom:
- O Sr. lembra de mim?”
- Lembro
- O Sr. fez a ultrassom e disse que a menina estava normal, que ela ia ser grande e está aqui pequenininha e com microcefalia.
- É porque eu não tenho experiência com esse tipo de coisa.

Os médicos deveriam ter responsabilidade porque muitos, botou o gel, botou a maquininha, ai é menina e pronto por isso que não acusou, não viu nada. Botou o gel, "ai a sua filha é grande", foi só o que falou, não ficou examinando o todo foi só isso.

Eu não quero ter outro (filho) porque eu não tenho mãe, não tenho pai, é tudo falecido, só tenho meu marido mesmo. Agora vou ter outro filho com essa aqui que precisa de mim a vida toda? Até de grande, eu vou ter que arrumar alguém pra ficar com o outro para eu ir no médico com ela? Ai eu não quero depender de ninguém.

O meu pensamento é voltar aos estudos no ano que vem pra poder terminar e arrumar um trabalhar para dar tudo pra minha filha. Eu sempre sonhei em ser veterinária, gosto muito de animais, meu pensamento é ser veterinária.